Vagabond: Porque esse mangá merece estar em sua coleção

“Comprar ou não Comprar, eis a Questão!”

10549980_933701573377387_2755615961628087119_o 

Olá meus amigos!

Quando a Panini Mangas anunciou na CCXP 2015 que ela publicaria Vagabond aqui no Brasil, foi a maior comoção dentro daquele auditório. Sim, eu estava lá! Agora que já temos data, preço, formato, muitos ainda se perguntam se vale a pena comprar. Então, eu trouxe um dos maiores fã do Brasil, quiçá do mundo e entendedor do assunto pra dá aquele empurrão final e levar você a compreender que sim, Vagabond merece estar na sua coleção. Com as palavras nosso amigo e parceiro Leonardo Rodrigues da Vagabond Brasil:

 

1495955_824885044259041_6840930268878737296_o

“Deve conservar o espírito iluminado, disciplinado, e sem desvios; desenvolver a mente e a alma, aguçando sua capacidade de percepção e visualização do universo; eliminar qualquer nuvem de dúvida de seu espírito.” -Trecho: O livro dos cinco anéis – Gorin No Sho, Miyamoto Musashi (1584-1645).

 

“O mangá conta a história de Miyamoto Musashi, um famoso samurai criador do estilo Niten Ichi Ryu. Trata-se, em muitos aspectos, de um dos mangás mais ambiciosos já criado, e embora seja impossível medir o esforço individual, não me surpreenderia se Takehiko Inoue trabalhou duas vezes mais duro ou tão quanto outro mangaká.

Embora baseado em um romance famoso, ele diverge várias vezes do livro e não se deve tomar a história narrada no mangá como a biografia, existe um livro chamado “Musashi”, escrito por Eiji Yoshikawa, que será mais útil se o seu interesse é saber mais sobre Miyamoto Musashi. Todo o estilo de contar histórias de Vagabond é inteiramente baseado no crescimento e desenvolvimento dos personagens ao longo de muitos anos. Isso de nenhuma maneira é uma coisa ruim, porque o desenvolvimento do caráter presente em Vagabond é excelente.

11927457_959871024054545_7192959918867594284_o

Vagabond – バガボンド Takehiko Inoue, Sumi (Vagabond Illustration Collection)

 

Musashi cresce a partir que avançamos na história, de um jovem imaturo e violento para um homem espiritualmente iluminado, guerreiro e é incrivelmente fascinante e cativante de se ver. Os restantes dos personagens também obtêm um ótimo desenvolvimento, o suficiente para torná-los distintos e memoráveis.

Vagabond é uma das obras mais genuinamente japonesa que eu já li, e não no estereotipado anime/mangá. Há muitos momentos de ação em Vagabond que em qualquer outro mangá teria sido objeto de julgamento; sendo um Seinen, não se utiliza somente de violência gráfica, nudez e outros conteúdos semelhantes de uma obra adulta. No entanto, esses eventos são apresentados com muita mais naturalidade e através de uma narrativa totalmente diferente do que a maioria das histórias apresenta.

11428028_874051922675686_8574287568448462642_n

Vagabond – バガボンド ‘Esse duelo é para aqueles preparados pra morrer. Não interfira. Você não está preparado. Se você quer viver, viva. Mas não chegue perto de mim… Porque se chegar…’

Enquanto isto pode potencialmente alienar algumas pessoas, eu achei muito fascinante, como se eu estivesse olhando através de algo que foi feito por uma pessoa que é muito diferente de mim. Claro, eu seria negligente se não mencionasse a parte incrivelmente importante que é Vagabond, a sua arte, que o autor desempenha em sua excelência. Simplificando, Takehiko Inoue é indiscutivelmente o artista de mangá mais qualificado do Japão atualmente. Ele atingiu um nível de desenho que está muito além da maioria dos artistas de quadrinhos em geral, sejam eles oriental ou ocidental.

11717542_891815960899282_4132514965258615601_o

Vagabond – バガボンド Takehiko Inoue, Sumi (Vagabond Illustration Collection)

O design dos personagens em Vagabond tem uma quantidade absurda de esforço para eles; não só são todos completamente distintos um do outro, mas eles são muitos detalhados e realistas, muito mais do que outros mangás. Takehiko Inoue tem uma forte visão de proporção, forma, perspectiva, o peso da linha, e todos os outros pontos artísticos fundamentais.

Um grande ponto a favor de Vagabond é que ao contrário de outras obras igualmente bem ilustradas como Berserk, a arte de Vagabond começa realmente forte para começar e só se torna melhor com o passar do tempo. Esta perícia crescente é talvez a melhor representação do desafio que levou o Inoue a usar pincel em seu trabalho ao invés de canetas de tinta tradicionais. Usando um pincel é muito mais difícil e requer um monte de controle, mas os resultados são evidentes: Vagabond desenvolve gradualmente ilustrações extremamente exuberante e bela que só seria possível com esta ferramenta. Seu uso magistral do pincel é um dos muitos testemunhos da experiência de Takehiko Inoue.

11896239_908624529218425_7668386962881903930_n

Vagabond – バガボンド ‘Não parece que… …os céus não querem que você lute mais?’

Boa parte da história não é baseada somente em ação, mas em reflexões espirituais e filosóficas por Musashi e o resto do elenco. Geralmente, estes momentos são perspicazes e até mesmo quase espirituais, mas muito ocasionalmente eles podem ser um pouco pretensioso. Independentemente das pausas que o mangá sofre, ainda é uma obra-prima na indústria de quadrinhos que todos deveriam ler. A qualidade da arte, pesquisa e paixão que foi para ele são inegáveis.”

11000171_815805378500341_3299827919025761487_n

Vagabond – バガボンド Sumi (que significa tinta em japonês) é o segundo Artbook da série Vagabond, pelo artista de mangá Inoue Takehiko. Assim como Water que é dedicado as obras em aquarela do artista, Sumi é uma coleção de suas ilustrações monocromáticas feitas em tinta. Os livros completam um ao outro no estilo; o olhar suave e macio da aquarela contra as pinceladas ousadas e enérgicas de tinta.

 

Vagabond encontra-se em hiato no Japão com 37 volumes publicados.

Aqui no Brasil está previsto para lançamento em fevereiro (10 de fevereiro a 10 de março, conforme funciona o checklist da Panini), sendo que sua publicação começará desde o volume #1, será mensal e terá distribuição nacional.

Contará com papel OFF-SET 90g (formato semelhante ao de Hideout, mas com 256 páginas), capa com acabamento fosco, verniz localizado e orelhas, páginas coloridas (as mesmas da edição original japonesa da Morning, conforme solicitado pelo autor). O preço será R$17,90. E terá assinatura.

12633639_1134434079900029_7255587783988034232_o

Capa brasileira de Vagabond #01 da editora Panini

 

Está a fim de saber mais sobre Vagabond? Acompanhe as novidades sobre o mangá, sobre o autor Inoue-sensei e tudo mais na Vagabond Brasil [https://goo.gl/JsWF8V].

E como sempre, siga a Mangás Brasil no facebook, porque logo logo teremos grandes novidades para esse mês de fevereiro!

Viste a Galeria de Capas de Vagabond: [https://goo.gl/nCmYwf]

 

July

Anúncios

3 pensamentos sobre “Vagabond: Porque esse mangá merece estar em sua coleção

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s